SINCLAPOL

Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná


Facebook SINCLAPOL Twitter SINCLAPOL Filiar-me ao SINCLAPOL
Policial Civil

Paraná registra 59 fugas de presos neste ano; caso mais recente ocorreu em Ipanema

59 fugas em 37 dias. Esse é o balanço do ano feito com base no número de presos que escaparam de carceragens de delegacias do Paraná desde o primeiro de janeiro.

Para os representantes dos policiais civis os episódios vão continuar, dada a manutenção de presos nas unidades, que são inadequadas à guarda. Já o governo do estado afirma que é impossível esvaziar as cadeias.

O caso mais recente – até o fechamento desta reportagem – foi registrado na madrugada de segunda para terça-feira, no balneário de Ipanema, em Pontal do Paraná.

Foram nove presos que estouraram o cadeado da carceragem e conseguiram escapar por volta de 1h da madrugada.

Antes disso, houve casos na segunda, quando seis escaparam da delegacia de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, e outros três fugiram da carceragem em Terra Rica, no noroeste do estado.

Fazendo essa linha do tempo caminhando para trás até o primeiro dia do ano de 2018, o levantamento já soma 59 fugitivos segundo informação da Associação dos Delegados de Polícia do Estado.

Para Fabio Drummond, presidente do Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado, essa quantidade de fugas tem relação com a falta de estrutura das delegacias, justamente porque elas não deveriam ter função de guarda de presos.

Sobre carceragens que representam maior preocupação, Drummond crava que todas são risco.

Em entrevista à imprensa durante agenda pública em Cascavel, o governador Beto Richa afirmou que só será possível zerar a situação dos presos em carceragens com a entrega de obras de novas unidades para o sistema penitenciário e ponderou que enquanto isso não acontece os presos tem que ser colocados em algum lugar.

A promessa do governo do estado é de reforma ou construção de 14 penitenciárias com quase sete mil novas vagas, além do incremento na utilização de tornozeleiras eletrônicas para dar conta da população que é mantida nas carceragens.

Dentre os projetos de novas unidades apenas duas já tem os canteiros de obras em pleno funcionamento.

Fonte: CBN - A radio que toca notícia - Repórter Cristina Seciuk