SINCLAPOL

Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná


Facebook SINCLAPOL Twitter SINCLAPOL Filiar-me ao SINCLAPOL
Policial Civil

Moradores do Litoral acionam MP-PR para que Delegacia Cidadã não vire “cadeião”

Em menos de um mês de sua inauguração, a Delegacia Cidadã de Matinhos-PR passou a ser motivo de receio para moradores da cidade. Criada para oferecer atendimento “mais humanizado” já abriga presos, operando no limite de sua capacidade carcerária e registrou sua primeira fuga há duas semanas. O cenário preocupa o Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) do município, que com o auxílio jurídico do Sinclapol, acionou o Ministério Público do Paraná (MP-PR), pedindo que se proíba a manutenção de presos no local e que os detidos sejam transferidos.

Edmílson Ribas, presidente do Conseg de Matinhos, disse que acompanhou todo o processo de implantação da Delegacia Cidadã e que o projeto inicial não previa as quatro celas de que a unidade dispõe. “Era para ter só uma sala para lavrar os flagrantes e já encaminhar os presos para presídios ou cadeias. Toda a comunidade viu com apreensão a fuga registrada no último sábado (20/5) e nosso temor é que o espaço acabe se tornando um “cadeião”. Dos 14 presos, quatro escaparam por uma janela”, declarou Ribas.

“A nossa preocupação é que, como falta uma unidade prisional no Litoral, o problema de falta de vagas no sistema prisional acabe fazendo com que essa delegacia vire um cadeião ou um minipresídio. É um risco iminente”, apontou o presidente do Conseg.

Fugitivos

Por meio de nota, a Polícia Civil disse que abriu inquérito para investigar a fuga. A corporação disse que os quatro fugitivos eram detentos provisórios e que aguardavam audiência de custódia. Porém, dois dos presos já eram condenados e dois estavam com prisão preventiva em aberto. Portanto, todos deveriam ter sido encaminhados a um presídio, como prevê a Lei de Execuções Penais (LEP). As informações sobre os foragidos foram confirmadas pelo Conseg e por policiais da própria Delegacia Cidadã. (Fonte: Gazeta do Povo de 27/5/2017).