SINCLAPOL

Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná


Facebook SINCLAPOL Twitter SINCLAPOL Filiar-me ao SINCLAPOL
Policial Civil

Justiça determina interdição de carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos

Decisão também obriga estado a transferir todos os detentos

A 2ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba determinou a interdição imediata da carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), no bairro Cristo Rei. A decisão proíbe a entrada de novos presos, sob pena de multa diária ao governo do estado, e também exige a transferência de todos os detentos do local até o dia 25 de abril.

De acordo com ação do Ministério Público do Paraná (MP-PR), um inquérito civil constatou inúmeras irregularidades, como superlotação e inexistência de estrutura interna mínima que garanta o respeito à dignidade e aos direitos presos. O órgão também questiona a estrutura externa e segurança da população que vive no entorno da delegacia.

Na decisão, o juiz Tiago Gagliano Pinto Alberto, aponta que a população carcerária do local sempre esteve acima do limite. “Não fosse apenas o problema relativo à superlotação, o relatório da engenharia aponta a inexistência de aeração, solário, janelas, iluminação e instalação elétrica adequadas, nos termos das normas de regência do assunto”, diz.

O juiz também diz que os encarcerados passam 24 horas por dia confinados em suas celas ou cômodos, sem qualquer acesso à luz solar ou a espaço para a prática de esportes.

A decisão obriga o governo do estado a transferir todos os presos até 25 de abril, sob pena de pagamento de multa diária no valor de R$ 5 mil. Cada novo preso colocado na unidade também pode gerar multa de R$ 5 mil.

Fonte:Banda B

 

EM ALERTA A SOCIEDADE – Marun: “reforma da Previdência será votada de qualquer jeito”

24 de Janeiro de 2018  

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun,convocou uma entrevista coletiva nesta terça-feira (23), no Palácio do Planalto, para afastar rumores de que a reforma da Previdência poderia ser votada em novembro, após as eleições.

Responsável pela articulação política do governo Temer, o ministro disse que a reforma será votada “de qualquer jeito” em fevereiro e mostrou otimismo na aprovação.“Nós vamos colocar em votação em fevereiro para ganhar. Temos a convicção de que teremos esses votos no dia 19 de fevereiro”.

“Queremos reafirmar, a decisão e a disposição do governo em votar a reforma da Previdência ainda no mês de fevereiro. Qualquer notícia em contrário não tem sinergia com a realidade. É isso que trago, já que surgiram notícias de que o governo cogitava outro tipo de cronograma, e isso não condiz com a realidade das discussões que estamos tendo”, garantiu Marun.

As “notícias em contrário” a que Marun se referiu surgiram de declarações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na segunda-feira (22), divulgadas na imprensa, nas quais disse que a votação da reforma da Previdência poderia ficar para novembro.

Fonte: Agência Brasil

SINCLAPOL SE REÚNE COM SECRETÁRIO DE SEGURANÇA.

Contrariando notas e manifestações contrárias à atuação do Secretário Wagner Mesquita, o Sinclapol foi recebido no início desta semana, dia 15 de janeiro, pelo Secretário de Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, para debater sobre os problemas dos Policiais Civis .

Estavam presentes na reunião, Del. Francisco José Batista da Costa, diretor geral da Secretaria de Segurança, Del. Marcia Tavares dos Santos, assessora civil e Jorge Ricardo de Oliveira, chefe de gabinete do Secretário de Segurança, além dos representantes do Sinclapol, presidente Fábio Barddal Drummond, o diretor jurídico, Evandro dos Santos Baroto, o diretor de assuntos parlamentares, Rohanito Navarro de Góes e o ex-presidente do Sinclapol e atual presidente da Cobrapol, André Luiz Gutierrez.

Fábio Barddal procurou deixar claro ao Secretário que suas críticas são institucionais, apontando situações estruturais que devem ser resolvidas na Polícia Civil. Wagner Mesquita, por sua vez, reafirmou sua determinação e empenho no sentido de concretizar a retirada e o fim da custódia ilegal de presos, que hoje se encontram em delegacias de policia, de forma que o DEPEN (Departamento Penitenciário) assuma integralmente sua responsabilidade com a execução penal. “O Secretário demonstrou interesse e preocupação no sentido de solucionar estes problemas que se arrastam há décadas e prejudicam tanto a atividade policial civil.” Comenta Barddal.

Instalação de Shelters no 11º DP

O Sinclapol se manifestou absolutamente contrário à manutenção de policiais civis prestando serviços em unidades de execução penal pertencentes ao DEPEN. Um exemplo é exatamente a questão do 11º Distrito Policial da Capital, pois o mesmo hoje se denomina Cadeia Pública de Curitiba nº 1 e pertence ao DEPEN, como diversas delegacias pelo Estado, conforme resolução 76/2013, nos termos dos Decretos 4199/2012, 6392 e 6393/2012.

O Secretário assumiu o compromisso de transferir o 11º DP para outro prédio tendo em vista que ali é cadeia pública como acima demonstrado, entregando efetivamente o prédio para o DEPEN.

Desta forma os policiais que trabalham naquele local irão voltar a realizar o seu trabalho de Policial Civil através da investigação. “Ficamos satisfeitos, com o compromisso firmado pelo Secretário e confiamos que os presos só retornarão para aquele local quando ele efetivamente os recolher como Cadeia Pública de Curitiba Nº1,” diz Barddal.

Conforme estabelecido, iremos conferir tudo isto, junto com o Secretário em uma visita a Cadeia Pública de Curitiba Nº 1, quando será reafirmado este acordo, então publicamente. Para o presidente do Sinclapol, “este acordo foi de extrema relevância, pois define como será o procedimento da Sesp com relação a presos”.

Estatuto da Polícia Civil

Ainda durante o encontro com Wagner Mesquita ficou acordado sua participação nas reuniões da comissão do Estatuto da Polícia Civil, sendo a próxima prevista para o dia 25 de janeiro. “O objetivo é entregar o estatuto ao governador logo no inicio de fevereiro. O Secretário se comprometeu em participar das reuniões e defender os interesses da categoria promovendo a modernização da instituição através do novo estatuto, atendendo assim, anseios da categoria,” destaca o presidente.

A busca de soluções para os problemas da segurança pública devem sempre se sobrepor à intenções políticas de grupos, desta forma consideramos descabidas as declarações de associações e entidades que se sentem atingidas, pelo que se ventila, pelo fim de alguns privilégios, da ineficiência do Secretário Mesquita frente à pasta, principalmente pela alegação de que teria privilegiado a Polícia Civil em detrimento de outras instituições, lembrando que somente a questão de alimentação de presos, faz com que os gastos sejam percentualmente desproporcionais a elas. Através da atitude em buscar solucionar o problema de presos, com a instalação das celas modulares, somado as obras das novas penitenciárias, demonstra a busca de dar eficiência à pasta e com isso finalmente termos a possibilidade da retirada total dos presos das delegacias, pleito maior da categoria, podendo ser este o grande motivo das manifestações contrárias, pois sem presos em delegacias poderemos mostrar nossa eficiência, evitando a usurpação de função e sua falsa justificativa.

 

Secretário de segurança fala sobre a polêmica das celas modulares durante inauguração de delegacia

Durante a inauguração da Delegacia Cidadã de Fazenda Rio Grande, o Secretário de Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita, falou sobre a polêmica que envolve a construção de celas modulares em Curitiba. As seis celas que tem capacidade pra abrigar 72 presos, foram construídas em anexo ao 11º Distrito Policial, na Cidade Industrial de Curitiba, e são criticadas pelo Sindicato que representa os policiais civis. Segundo o Sinclapol, as celas são inseguras e deveriam ser construídas longe das delegacias.

Fonte RICMAIS - https://pr.ricmais.com.br/balanco-geral-curitiba/videos/secretario-de-seguranca-fala-sobre-a-polemica-das-celas-modulares-durante-inauguracao-de-delegacia/

“Gravíssima”, diz ministra Carmen Lúcia sobre condição de presos do Paraná

Em visita a Curitiba, a presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça classificou como gravíssimo o problema dos presos no estado do Paraná. A declaração foi dada pela ministra Carmen Lúcia à equipe da TV Justiça, após a vistoria feita no Complexo Penitenciário de Piraquara.

A ministra Carmen Lúcia permaneceu no presídio por aproximadamente duas horas, durante as quais conheceu duas das suas unidades prisionais. Ela foi acompanhada por representantes do governo do estado e teria se mostrado incomodada com a situação das delegacias paranaenses, que ainda mantém a custódia de aproximadamente 9 mil presos.

Questionada sobre quais conclusões seria possível tirar da visita ao Paraná, Carmen Lúcia citou o problema das carceragens, classificado por ela como “gravíssimo”.

Sobre as delegacias, o diretor do Departamento Penitenciário do Estado, Luiz Alberto Cartaxo, afirmou que explicou à ministra as soluções pensadas pelo Paraná, em especial as prometidas 14 novas penitenciárias.

Além de representantes do governo, a presidente do Conselho da Comunidade na Execução Penal,  advogada Isabel Kugler Mendes, também acompanhou a visita nesta terça-feira (09).

À imprensa, ela avaliou positivamente a vistoria, mas falou na necessidade de contrapontos à situação apresentada pelo governo do Paraná a Carmen Lúcia.

Isabel Mendes destacou o impacto da diferença entre os espaços apresentados à ministra. A Unidade de Progressão, chamada de UP, é um projeto piloto, considerado modelo; já a Casa de Custódia é – segundo Isabel Mendes – a realidade do estado.

A visita da ministra Carmen Lúcia ao Paraná já estava programada, mas não tinha data prevista para acontecer. A presidente do Supremo veio a Curitiba depois de vistoriar unidades de Goiás.

Repórter Cristina Seciuk
Fonte site CBN - CBN1 - 

 

NOTA DE REPÚDIO E APOIO AOS POLICIAIS CIVIS DO RN.

 

O Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná – Sinclapol, representante da categoria em todo o Paraná, vem por meio desta nota, manifestar seu total repúdio à situação dos policiais civis do Estado do Rio Grande do Norte (RN) vítimas de uma política irresponsável praticada pelo governo e por atos como o do Desembargador, Cláudio Santos do TJ daquele Estado, determinando a prisão de Policiais Militares e Civis aliada a uma declaração chocante “Policial deve trabalhar mesmo sem salário.”

Tal declaração revolta ainda mais os policiais daquele Estado e de suas famílias que vivem uma situação de caos, sem receber seus salários, não conseguindo pagar suas contas e nem tendo condições de ir até o seu trabalho, pois seus salários estão atrasados desde o mês de novembro do ano passado, incluindo o 13º salário. Fica a pergunta, há condições de sequer sobreviver nesta situação? É obvio que não.

Os bravos policiais civis do Rio Grande do Norte tem todo o nosso apoio e solidariedade à luta que estão enfrentando tendo à frente o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Rio Grande do Norte, Nilton Cesar Arruda que fez um apelo ao governo para que cumpra a sua parte atendendo as reivindicações dos policiais e os mesmos possam voltar as suas atividades normais.

Curitiba, 05 de janeiro de 2018.

Fabio Barddal Drummond

Presidente do Sinclapol

A VOCÊ POLICIAL CIVIL.

Nas horas "mortas" da madrugada, enquanto a imensa maioria dos cidadãos usufrui de seu merecido repouso, alguns velam a madrugada, num combate feroz contra impunidade, as drogas e acima de tudo a morte.

Em meio a  reclamações , desespero e agonia, exercitamos o duro ofício de fazer cumprir a ordem, a lei, dar alívio, resgate e, quando necessário, consolo.

Pagamos um preço elevado: envelhecemos mais cedo, nosso sono é desregulado, a alimentação desregrada, o estresse elevado. Nossas familias se privam de nossas presenças, nossas camas ficam vazias. 

Ostentamos elevados índices de distúrbios orgânicos e emocionais pelo rigor de nossas batalhas.

Mas escolhemos este caminho por amor à vida. Sabíamos que seria difícil e desgastante. E, embora alguns destoem de nossos ideais e nos envergonhem com suas posturas e condutas, a esmagadora maioria luta suas pelejas com devoção e dignidade.

Embora soubéssemos que seria um árduo caminho, não tínhamos consciência plena de que também sofreríamos com a incompreensão e ingratidão de muitos, e tampouco poderíamos, nem em nossos piores pesadelos de jovens idealistas, imaginar que seríamos alvos preferenciais de uma terrível campanha
ideologicamente concebida e orquestrada, com o único objetivo de nos exterminar.

Mas continuamos, apesar de tudo, acreditando na importância e beleza de nosso ofício, e vencendo a maioria das batalhas contra aqueles que escolhem sair do caminho do bem. E continuamos a nos emocionar com uma vida salva, uma dor aplacada ou mesmo com a dor da perda por parte de um completo estranho.

Continuamos, todos os dias e o dia todo, em prontidão para combates que nunca são simulados, e faremos o melhor que pudermos.

Não, não somos nem deuses e nem semi-deuses. Somos pais, mães, filhos e filhas, cidadãos, gente, seres humanos. Precisamos de descanso, de compreensão, de apoio. Precisamos de dignidade para trabalhar com a plenitude de nossas capacidades. Podemos errar, mas nunca por ser esta nossa intenção, mas porque nosso trabalho nos dá, às vezes, uma janela de poucos minutos ou mesmo segundos para tomar decisões gravíssimas.

E, quando ouvimos um agradecimento ou um gesto de reconhecimento, cada vez mais raros nestes dias de valores corrompidos e distorcidos, sentimos que tudo valeu a pena.

Somos policiais a serviço da VIDA!

Feliz Ano Novo. Feliz 2018!

NOTA DE FALECIMENTO

É com muito pesar que comunicamos o falecimento do policial civil aposentado, Aécio Soares. Aécio tinha 55 anos e foi encontrado morto no interior de seu carro, após ter desaparecido na última quinta-feira, dia 28 de dezembro.

O policial será velado na Capela número 02 do Cemitério Municipal de Santa Cândida, em Curitiba. O velório iniciará às 06h30min da manhã deste sábado, dia 30 de dezembro. O enterro está marcado para 11h00min da manhã do mesmo dia. 

 

DIRETORES DO SINCLAPOL PARTICIPAM IV CONFEIPOL.

 A Necessidade de um Novo Modelo de Polícia Judiciária Para o Fortalecimento da Investigação Criminal no Brasil foi o tema central da quarta edição do Congresso Interestadual dos Policiais Civis da Região Nordeste -IV Confeipol Nordeste. O evento aconteceu entre os dias 13 e 15 de dezembro, em Aracajú-Sergipe e reuniu dirigentes sindicais das diversas regiões do Brasil que debateram temas de grande interesse para a segurança pública.

A abertura do evento foi presidida por André Luiz Gutierrez, presidente da Confederação Brasileira dos Trabalhadores Policiais Civis – Cobrapol. Gutierrez disse que o IV Confeipol Nordeste tem uma importância muito grande e demonstra a União das Federações. Segundo ele, o Congresso, mais uma vez, fortalece a união da classe policial. Isto é fundamental no momento em que está sendo vivenciado um ataque aos serviços públicos e aos servidores. “É importante a união em defesa de nossos direitos visando a busca de novas conquistas,”comenta.

João Alexandre Menezes, presidente do Sinpol-Sergipe e anfitrião do IV Confeipol- Nordeste disse estar satisfeito em receber o evento e poder, na ocasião contribuir para a formatação da Lei Orgânica Nacional da Polícia Civil.

Cerca de 60 dirigentes sindicais do nordeste e representantes de outros estados participaram do IV Confeipol Nordeste, entre eles, o Paraná, com a presença dos diretores do Sinclapol; Evandro dos Santos Baroto, Rohanito Navarro de Góes e Sidney Belizário de Melo.