SINCLAPOL

Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná


Facebook SINCLAPOL Twitter SINCLAPOL Filiar-me ao SINCLAPOL
Policial Civil

Forças Policiais Debatem os Impactos da PEC/287

Reunidos na Policia Federal, na cidade de Foz do Iguaçu, no último dia 05 de julho, representantes de diversas Forças Policiais debateram os impactos negativos da proposta da Reforma da Previdência (PEC 287/16) com os agentes de segurança e o público em geral.

O Sinclapol - Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná se fez presente na pessoa de seu presidente, André Gutierrez e Diretores. Gutierrez manifestou, mais uma vez, sua opinião e consequente posicionamento do Sinclapol e seus diretores.

Leia mais...

Nota de Falecimento

Sinclapol Comunica Nota de Falecimento

O Sinclapol – Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná, com pesar, comunica o falecimento do escrivão de polícia, Claudio Gusmão Batista, na última quarta-feira, dia 12 de julho de 2017, no Hospital Cruz Vermelha, em Curitiba. O escrivão tinha 68 anos e estava aposentado há 18 anos. O Sinclapol lamenta profundamente o acontecimento e envia seus pêsames à família enlutada.

CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO DO SINCLAPOL.

O Sinclapol - Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná, comunica a seus associados o encerramento das atividades de seu consultório odontológico.

O presidente André Gutierrez, informa que o motivo do encerramento, foi o pouco uso do consultório gerando ociosidade e alto custo para o Sindicato.

Entretanto e por um período, os atendimentos emergenciais serão feitos em novo endereço a ser comunicado nos próximos dias, no site do Sinclapol.

O objetivo é oferecer aos filiados um plano odontológico por adesão e com valor reduzido, através de convênio com o Sinclapol.

Maiores informações entre em contato com o Sinclapol (041) 3016-2026..

AÇÃO DO QUINQÊNIO

ALERTA AOS FILIADOS

 

O SINCLAPOL informa que o prazo para habilitação na ação coletiva do Sinclapol, n.º 0003208-02.2012.8.16.0179, junto à 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, irá se encerrar dia 15 julho de 2017, sendo esta a data final para apresentação das planilhas de cálculos de todos filiados.

A sentença condenatória já transitou em julgado e o Departamento Jurídico CONVOCA NOVAMENTE os filiados do SINCLAPOL, para que sejam providenciados os cálculos dos valores e sua habilitação na execução pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou pelo telefone (041) 3024-4060.

Cumpre lembrar que a sentença desta ação coletiva condenou o Estado do Paraná a pagar diferenças de ATS (adicional por tempo de serviço) em favor dos servidores Policiais Civis filiados, ativos e inativos, referentes ao período de junho de 2007 a abril de 2012.

Lembramos também que esta ação coletiva serve apenas àqueles que não ajuizaram ação individual.

 

Dr. NAOTO YAMASAKI

Escritório Jurídico

MONOPÓLIO DA VIOLÊNCIA E A PREDOMINÂNCIA DO CRIME ORGANIZADO.

Segundo o sociólogo e economista, Max Weber, importante jurista alemão;

“O monopólio da violência legítima significa que o emprego da coerção é função de exclusiva competência de certos agentes do Estado, de uma organização ou de uma "máquina" institucional  e não de outros agentes da sociedade.”

Em tempos de predominância da violência, principalmente do crime organizado, podemos notar que o monopólio da violência não mais pertence ao Estado.

“No Brasil este monopólio está sendo quebrado pela violência cometida pelo crime organizado, comenta André Gutierrez, presidente do Sinclapol- Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná. Segundo ele, só na última quinta-feira, dia 15 de junho de 2017, três agentes de Estado foram atacados, um Policial Civil morto na Bahia, um agente penitenciário baleado em Toledo, no Paraná e um escrivão de polícia, na Região Metropolitana de Curitiba. Este último fato não foi divulgado na mídia, pois não há interesse na publicação quando a vítima de ataques são policiais”.

Na opinião de Gutierrez, o próprio Estado vem enfraquecendo o seu poder de coerção deixando que fortaleça o poder paralelo do crime. O Estado como um todo precisa reforçar os agentes que atuam neste sentido e não é o que vem sendo feito, não só no Paraná, como em todo o Brasil. O que o Estado precisa fazer é recuperar o monopólio da violência. “’O que a gente vê atualmente, principalmente no Rio de Janeiro é a atuação do monopólio do crime organizado”’, enfatiza.

Leia mais...

O Sinclapol continua crescendo

Oito anos após a atual diretoria assumir a administração do Sinclapol, o Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná deu um salto gigantesco para melhor atender a todos. Passamos de 1.604 filiados em setembro 2009 para 2.234, em maio de 2017 e o valor do contracheque dos Policiais em Atividade e Aposentados quase triplicou nesse período. Passamos a ter mais Delegados Sindicais em todo o Paraná, com 21 representantes no interior.
O efetivo da Polícia Civil passou de 2.700 para 4.485 no geral, e conseguimos diminuir a quantidade de presos nas Delegacias em todo Estado, que chegou a ser pouco mais de 16 mil e hoje ultrapassa os 9 mil. Esse número continua alto, mas temos cobrado constantemente das autoridades competentes a retirada dos detentos que não deveriam estar mais nas DPs, pois os Policiais de plantão acabam trabalhando em desvio de atribuição.
Em atendimento, hoje com três carros todos os diretores atuando regularmente, prestamos assistência aos Policiais Civis da Capital e do Interior do Estado, seja na questão de presos, escalas de serviços ilegais ou abusos de autoridades. Também junto com o Sindipol Londrina e a Feipol-Sul, a diretoria tem participado em Brasília-DF, das reuniões e manifestações da Cobrapol (Confederação Brasileira dos Policiais Civis) e da UPB (União dos Policiais do Brasil), na luta pelos direitos da categoria.
Para melhor atender os seus filiados, o Sinclapol disponibiliza um Plano de Saúde da Unimed, Seguro de Acidentes Pessoais da Tókio Marine, que tem capital fixo de R$ 17.000,00 por segurado, para o caso de morte acidental, invalidez permanente total ou parcial por acidente. No caso de morte por qualquer causa, garante o pagamento de até R$ 3.000,00, como Assistência Funeral Familiar. Porem, existem estudos visando melhorar o pagamento neste quesito.
- Patrimônio -
No início tínhamos um VW Gol, que valia R$ 14.000,00 e hoje estamos com um Symbol (2012) e duas Chevrolet Spin (2015), superando R$ 134.000,00 em valor. Hoje não existem mais dívidas trabalhistas. Continuamos com a sede do Campo Comprido onde está o Hotel de Trânsito, e conseguimos aumentar o patrimônio incorporando a sede da Vila Izabel, cinco terrenos em Matinhos-PR e oito gavetas no Cemitério Municipal do Água Verde, que pertenciam à ex-Guarda Civil. Somadas às seis gavetas no Cemitério Vertical, o patrimônio do Sinclapol ultrapassa a casa de R$ 2.534.000,00.
Temos uma Diretoria Jurídica dentro do sindicato, com dois policiais formados em Direito, sendo um aposentado e advogado. O escritório de advocacia Vernalha & Yamasaki, em parceria com o Sinclapol, promovem a defesa da categoria em quase 3 mil processos coletivos e individuais, a nível Estadual ou Federal, além de uma média mensal de 350 atendimentos presenciais ou indiretos, sempre no interesse da Classe Policial Civil. O Consultório de Odontologia do Sinclapol, na Travessa da Lapa continua trabalhando, porém o Sinclapol está estudando um Plano Odontológico que atenda a todos os Policiais Civis sindicalizados (Capital e Interior) em todo o Paraná, por um preço justo e a mesma qualidade dos serviços prestados.

Moradores do Litoral acionam MP-PR para que Delegacia Cidadã não vire “cadeião”

Em menos de um mês de sua inauguração, a Delegacia Cidadã de Matinhos-PR passou a ser motivo de receio para moradores da cidade. Criada para oferecer atendimento “mais humanizado” já abriga presos, operando no limite de sua capacidade carcerária e registrou sua primeira fuga há duas semanas. O cenário preocupa o Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) do município, que com o auxílio jurídico do Sinclapol, acionou o Ministério Público do Paraná (MP-PR), pedindo que se proíba a manutenção de presos no local e que os detidos sejam transferidos.

Edmílson Ribas, presidente do Conseg de Matinhos, disse que acompanhou todo o processo de implantação da Delegacia Cidadã e que o projeto inicial não previa as quatro celas de que a unidade dispõe. “Era para ter só uma sala para lavrar os flagrantes e já encaminhar os presos para presídios ou cadeias. Toda a comunidade viu com apreensão a fuga registrada no último sábado (20/5) e nosso temor é que o espaço acabe se tornando um “cadeião”. Dos 14 presos, quatro escaparam por uma janela”, declarou Ribas.

“A nossa preocupação é que, como falta uma unidade prisional no Litoral, o problema de falta de vagas no sistema prisional acabe fazendo com que essa delegacia vire um cadeião ou um minipresídio. É um risco iminente”, apontou o presidente do Conseg.

Fugitivos

Por meio de nota, a Polícia Civil disse que abriu inquérito para investigar a fuga. A corporação disse que os quatro fugitivos eram detentos provisórios e que aguardavam audiência de custódia. Porém, dois dos presos já eram condenados e dois estavam com prisão preventiva em aberto. Portanto, todos deveriam ter sido encaminhados a um presídio, como prevê a Lei de Execuções Penais (LEP). As informações sobre os foragidos foram confirmadas pelo Conseg e por policiais da própria Delegacia Cidadã. (Fonte: Gazeta do Povo de 27/5/2017).

Sinclapol esteve com Francischini e Bolsonaro

No retorno de Brasília-DF nesta sexta-feira (26/5), diretores do Sinclapol e Feipol-Sul passaram por Maringá, no Norte do Paraná, onde tiveram um encontro importante com os deputados federais Fernando Francischini e Jair Bolsonaro. Na oportunidade falaram da atual situação da segurança pública do Brasil e a dificuldades que esses profissionais terão que passar, com a Reforma Previdenciária (PEC 287) do governo Temer. Tanto Bolsonaro como Francischini se mostraram solidários com a causa da segurança pública Nacional, se comprometendo ajuda-los nessa luta justa e merecida, caso a PEC 287 tenha prosseguimento, pois a atual posição do governo Temer está “por um fio”. “Continuamos na “luta” pelos direitos de todos os trabalhadores da segurança pública e não descansaremos até que nossos objetivos sejam alcançados. Os deputados Bolsonaro e Francischini estão conosco nessa luta, inclusive saíram usando o boton do Sinclapol”, declarou André Gutierrez, presidente do Sinclapol.

Diretores do Sinclapol, Sindipol e Feipol-Sul estão em Brasília

Desde a última segunda-feira (22/5), diretores do Sinclapol, Sindipol Londrina e Feipol-Sul estão em Brasília, lutando contra a Reforma Previdenciária (PEC 287), para defender os direitos de todos os Policiais Civis do Estado do Paraná. Nesta quarta-feira (24/5), participaram de uma reunião na Cobrapol, onde trataram da deliberação Nacional sobre como a segurança pública vai se comportar diante das ações deste governo e depois seguiram para a manifestação que estava acontecendo em à Câmara dos Deputados.

Sinclapol recebe visita de alunos do Colégio Estadual do Paraná

O Sinclapol recebeu na tarde desta segunda-feira (22/5) a visita de alunos do Colégio Estadual do Paraná, Valentina Burigo Pacheco, Jayme Euclydes e Giovana Magnagnagno, que vieram conhecer o trabalho do representante das classes Policiais Civis do nosso Estado. Eles foram recepcionados por Daniel Luiz Santiago Côrtes (2.º Vice-Presidente), Desiree da Câmara Leal (Secretária Geral), e, Braz Caselatto (diretor de Assuntos de Aposentados), que esclareceram todas as suas dúvidas.

Para trabalho curricular do Colégio Estadual do Paraná, Valentina, Jayme e Giovana se interessaram pelo assunto “Sindicalismo na Polícia Civil” e foram até o Sinclapol para saber mais sobre o assunto. Daniel, Desiree e Braz ouviram e responderam as perguntas, explicando detalhadamente como é realizado o trabalho sindical e a sua importância aos profissionais da segurança pública da Polícia Civil do Paraná. “No início ficamos surpresos com a visita e o interesse dos alunos pela Polícia Civil. A conversa foi tão boa, que nos colocamos à disposição para futuras palestras no Colégio Estadual. É gratificante ver adolescentes interessados no trabalho sindical dos Policiais Civis”, declarou Daniel Côrtes, vice-presidente do Sinclapol.

Fugas de presos em DPs continuam causando problemas no Paraná

   * Detalhes da fuga de presos no 1.º Distrito, em Curitiba.

O Paraná teve três fugas de presos em DPs durante o fim de semana (19, 20 e 21/5), em ações dos detentos que vem sendo denunciada pelo Sinclapol às autoridades competentes nos últimos oito anos. Na ocasião, haviam aproximadamente 19 mil detentos nas carceragens das DPs paranaenses, que continuam com verdadeiras masmorras medievais, onde policiais civis, muitas vezes, fazem plantões sozinhos, cuidando de cadeias lotadas, em evidente desvio de atribuição funcional, colocando em risco de vida toda comunidade das redondezas.

Na nova Delegacia Cidadã de Matinhos, em nosso litoral, a DP modelo padrão, recém-inaugurada pelas autoridades, que não deveria nem ter carceragem, houve fuga de presos na madrugada de sábado (20/5). Os detentos serraram as grades de uma das celas e fugiram pela janela de uma sala de entrevistas da DP, que no momento estava com 17 detentos. Em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Estado, uma rebelião na cadeia pública da cidade, na 19.ª Subdivisão Policial, encerrou na manhã de domingo (21/5) e resultou na transferência de 10 presos para a Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão, porém ainda ficaram nas carceragens da 19.ª SDP 93 detentos. E em Curitiba, no 1.º Distrito Policial, na madrugada de domingo para esta segunda-feira (22/5), 18 presos fugiram das carceragens lotadas, fazendo um buraco na parede e saindo pela janela de uma sala que deveria servir de setor de investigação.

Leia mais...

População cobra mais segurança para o Litoral do Paraná

O Sinclapol participou de uma Audiência Pública em Matinhos, na noite desta terça-feira (16/5), no auditório do Sesc de Caiobá, sobre Segurança Pública. Mais de 600 moradores do litoral paranaense acompanharam a Audiência Pública, com faixas e reivindicaram melhorias para a segurança pública, para quem trabalha com ela, mais policiais nas DPs e sem presos do Judiciário. “Na Operação Verão, o Litoral do Paraná é o lugar dos sonhos. Mas o restante do ano vira um “Deus nos acuda”, com roubos, assaltos a mão armada e invasões nas casas de veraneio dos que não moram no litoral”, disse Ribas, presidente do Conseg de Matinhos.

Estiveram presentes, além dos Vereadores do litoral paranaense, o Prefeito de Matinhos, Deputado Mauro Moraes, Coronel Barroso, comandante da PM Litoral, Dr. Max, Delegado de Matinhos, Ribas, presidente do Conseg Matinhos, Imprensa do Litoral e representantes do Sinclapol, Daniel Côrtes, Edson Scheer e Rohanito de Goes. “O Sinclapol tem cobrado constantemente a falta de pessoal nas DPs, principalmente no litoral e no interior do Paraná. Faltam Escrivães, Investigadores e Delegados em várias DPs, entre outras necessidades básicas. E a permanência de presos nas carceragens das DPs é perigoso para os policiais de serviço e principalmente à população”, concluiu Daniel Côrtes, vice-presidente do Sinclapol.

Mobilização contra a PEC 287/2016

 

As entidades sindicais dos Policiais Civis convocam a categoria para participar da mobilização contra a PEC 287/2016 da Reforma da Previdência, alterando sua foto do perfil das redes sociais e compartilhando a imagem com a hastang #NAOaPEC287.

 

O Sinlapol também conta com a participação dos Policiais Civis do Paraná nessa mobilização nacional. Participe!

 

#policiacivil #policia#brasil