SINCLAPOL

Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná


Facebook SINCLAPOL Twitter SINCLAPOL Filiar-me ao SINCLAPOL
Policial Civil

SÍNDROME DA TRAGÉDIA ANUNCIADA

Rebelião no 11.º DP foi controlada, mas...

 

Controlada a rebelião de presos iniciada na tarde de domingo (2/11), na Delegacia da Cidade Industrial de Curitiba, o 11.º DP, que durante a entrega da janta, presos de 10 celas dominaram o agente prisional, que levou estocada nas costas e um policial civil foi baleado.

Os dois estão feridos no hospital, mas não correm risco. Entre os presos, seis foram baleados, porém nenhum está em estado grave.

Em contato com o o Chefe do DEPEN, Cezinando Dias Paredes imediatamente abriu vagas para os seis presos no hospital do Complexo Médico Penal..

“É inadmissível que rebeliões como esta ainda aconteçam no Paraná. Agora temos um policial e um agente gravemente feridos. Isso vai contra a tudo que o Sinclapol está lutando em favor dos Policiais Civis do Estado. É mais uma discussão que levaremos paras as assembleias dos dias 5 (em Curitiba) e 6 (no interior do Estado) de novembro. Irmãos Policias Civis, compareçam para brigarmos pelos nossos direitos e pela nossa segurança”.

“Parabéns ao S.O. do COPE, que vem controlando as rebeliões sempre com muita eficiência, apesar de não ser sua atribuição principal”, declarou André Gutierrez.

 

 

DAÍ RECLAMAM... SOBRE OFÍCIO CIRCULAR TJPR 196/2014.

Clique na imagem para baixar o arquivo completo do oficio em PDF.

Impressionante a inércia que acomete os gestores da nossa Polícia Civil, que por mais que alertados da movimentação dos “Coronéis” junto a Corregedoria Geral de Justiça, não foram capazes de lá comparecer para defender o que já foi conquistado, e se quedaram inertes diante do avanço dos militares sobre a questão da escolta.

Pior ainda a associação, “aquela dos retrogradas,” que diz representar os Delegados Policiais Civis, mas que somente se preocupa em barrar qualquer evolução aos cargos de Investigador, Escrivão, Agente e Papiloscopista, que não se preocupou, em momento algum, em defender o “seu” representado, pois a ele recairá a responsabilidade em determinar e colocar o Policial Civil em desvio de função, fazendo o transporte de presos.

Uma determinação, diga-se de passagem, que será manifestamente ilegal e será combatida, pois todos nós sabemos que, tomando por princípio que o servidor somente tem o dever de fazer o que lhe é atribuído, o transporte ou escolta não está previsto nas atribuições de nenhum Policial Civil.

Enquanto a Polícia Civil continuar a fazer o que NÃO é de sua atribuição, os que têm a obrigação ficarão se escondendo e não assumirão suas responsabilidades.

Qual preso é de nossa responsabilidade?

Leia mais...

Policial Civil foi contaminado com gripe H1N1 em escolta irregular de presos.

Alerta na cadeia pública de Loanda desde a última quinta-feira. Os funcionários estão trabalhando com máscaras porque quatro presos e um investigador da Polícia Civil foram diagnosticados com o vírus da gripe H1N1.

Um dos presos chegou a ficar internado por dois dias, mas já está de volta à cadeia. Os contaminados estão em cela separada, sendo medicados com Tamiflu.

O delegado Luciano Purcino disse que, a exemplo de anos anteriores, todos os presos e os policiais que trabalham na delegacia haviam sido vacinados contra a gripe. “Mesmo assim quando há suspeita de contaminação, imediatamente é realizado o teste para detectar o vírus”.

Purcino explicou que o policial foi infectado quando fazia o transporte de presos para receber tratamento médico. O delegado afirmou ainda que a situação dentro da cadeia está controlada e as medidas necessárias para evitar a contaminação e o surgimento de novos casos foram tomadas.

MUDANÇAS - Com a infecção do investigador da Polícia Civil deverá haver mudanças no transporte de presos. A função deverá ser repassada para a Polícia Militar, que já faz o transporte dos presos para as audiências.

O delegado informou que procurou o Poder Judiciário para alegar que o transporte feito por policiais civis caracterizam como desvio de função. Inclusive já existe decisão que proíbe esse tipo de serviço para os policiais.

Fonte: http://www.diariodonoroeste.com.br/noticia/cotidiano/policial/62659-quatro-presos-de-loanda-e-um-policial-civil-com-gripe-h1n1

 

POP UP SINCLAPOL

 

Entraremos em Recesso.

 

Amigos Policiais Civis, devido aos feriados de Natal e Ano Novo,
o SINCLAPOL (Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná).
Entrará em recesso a partis de 22 de dezembro de 2014.
As atividades normais do Sindicato retornam na segunda-feira 5 de janeiro de 2015,
ficando em Plantão Sindical nos telefones,
(41) 8877-2759 (Gutierrez), (41) 8879-4375 (Neilor), e (41) 9838-1817 (Daniel).
E no Departamento Jurídico nos telefones
(41) 9965-5222 (Dr. Milton Miró Vernalha) e (41) 9947-9866 (Dr. Naoto Yamasaki) . 

 

FELIZ NATAL e PRÓSPERO ANO NOVO.

Gratos pela atenção.

A Diretoria.

NÃO É SÓ NO PARANÁ QUE ELES AGEM INSIDIOSAMENTE

A diferença é que aqui, o grupo dos "retrógrados" é a minoria e não fala pela categoria dos Delegados Policiais Civis, somente pelos seus próprios interesses de "cardeais". Isto ficou comprovado na assembleia  recentemente realizada, onde os proponentes não compareceram e todas as propostas foram rejeitadas pelos Delegados Policiais Civis lá presentes, pois não atendiam seus interesses. 

POLICIAIS FEDERAIS ENTRAM EM GREVE DE 72 HORAS

Policiais federais em todo o País farão uma greve de 72 horas, com paralisação de suas atividades, entre os dias 22 e 24, informa a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) em nota distribuída à imprensa.

O movimento será iniciado no final desta terça-feira, dia 21, com atos públicos de protesto em frente às unidades da PF.

Os policiais federais reclamam que o governo federal não cumpriu o acordo assinado no final da greve de 2012, que inclui a modernização da carreira na PF e o reconhecimento das atividades realizadas por todos servidores, ainda regidos por leis da época da ditadura militar.

"O estopim da greve é a recente Medida Provisória 657, que atropelou o longo período de negociações entre a Fenapef e o governo, ignorou as dezenas de propostas de modernização e beneficiou somente o cargo de delegado, criando uma espécie de concurso para chefe no serviço público federal", diz a nota.

"Nos corredores da PF, a Medida Provisória é chamada de “MP da Chantagem. O motivo é a sua publicação na semana em que ocorreram os vazamentos do escândalo da Petrobras. A MP não reconhece os demais policiais, investigadores ou peritos, como autoridades competentes", acrescenta.

Conforme o presidente da Fenapef, Jones Borges Leal, afirma na nota, a MP 657, em vez de reconhecer os avanços da PF dos últimos anos, volta no tempo para criar um cargo político dentro da polícia, tornando o órgão mais dividido e burocrático.

"Estão recriando a polícia fascista da ditadura militar, que não funciona, mas é fácil de controlar pelas indicações dos cargos de chefia", diz.

http://exame.abril.com.br/geral/noticias/policiais-federais-entram-em-greve-de-72-horas-dia-23

ESPC NOVAMENTE CHAMA PARA CURSO EXPRESS.

Contrária à posição do Sinclapol, que pleiteia o curso completo, formando e habilitando plenamente o novo Policial para suas atividades, inclusive com a entrega do armamento “carga” do Estado, a ESPC realizará curso nas disciplinas de Uso Legal da Arma de Fogo e Operação Policial, no período de 20 a 24 de outubro de 2014.

Apesar de nossos pedidos contrários a esta prática, novamente a ESPC incide no erro de dar formação parcial e manter o não reconhecimento da capacitação para usar esta habilitação no dia a dia do Policial, pois sem o armamento oficial o Policial continua em ambiente de risco sem a possibilidade da auto defesa.

Questionamos novamente a ESPC, estamos no aguardo do posicionamento oficial e continuamos trabalhando contra esta prática .

Veja a listagem dos convocados nos links abaixo:

Turma 1

Turma 2

 

COMEÇARAM OS ATAQUES, SÓRDIDOS E INSIDIOSOS.

Um pequeno grupo ligado a um autointitulado sindicato, inclusive proibido de atuar como entidade sindical, conforme decisão judicial, convocou uma reunião no 1º Distrito da Capital.

A discussão com este grupo gira em torno da descrição das incumbências do cargo de Escrivão, como pode ser visto a seguir no texto finalizado;

Art. 29. Ao Escrivão de Polícia Judiciária incumbe as atividades de polícia administrativa, incluindo a produção de conhecimentos e informações relevantes ao Inquérito Policial, bem como a expedição de certidões com fé pública, a execução e supervisão dos trabalhos cartorários, além de outras atribuições definidas em regulamento.

 O pleito destes é acrescentar a esta descrição os seguintes termos;

 “a execução das medidas de segurança orgânica”... “bem como a execução das operações policiais”...

 Em uma breve análise pode-se perceber que se acrescentássemos estes termos, a descrição inicial do Escrivão, estaríamos voltando a uma criação que, discutida em Assembleia, foi desaprovada pela categoria e decidido não pleitear esta “união” de cargos com a consequente criação do Oficial de Polícia Judiciária.

 Ocorre que alguns escrivães abduzidos dentro de um núcleo, verdadeiros divisores e alienados, visando interesse próprio, estão seguindo a orientação de um delegado e trabalhando para causar discórdia e conflito na busca de dividir a categoria.

 De tão inteligentes que são não percebem a manobra descrita há muitos séculos por Júlio César em seu livro, De Bello Gallico, onde “Divide et impera” ou “Divide et Vinces” é a maneira de enfraquecer e derrotar seu oponente.

 Vamos nos manter UNIDOS e fortalecidos contra os verdadeiros e cada vez menos numerosos, inimigos da classe Policial Civil, que nunca se importaram com o fortalecimento da instituição e muito menos de seus membros.

Que fiquem em casa, inativos que estão, ou se preocupem somente com o que são pertinentes a uma associação, como jantares, festas e outras politicagens.

400 SÃO MAIS FORTES QUE 4.000?

ou QUEM CONSPIRA CONTRA E POR QUÊ? 

Os avanços que o Novo Estatuto trará serão benéficos à Instituição Policial Civil, seus membros e principalmente a população Paranaense que está carente de uma Polícia Judiciária cada vez mais eficiente e que venha a servir e proteger como ela espera.

Ocorre que alguns poucos delegados retrógrados, a maioria já inativa, estão interferindo por razões políticas, deixando completamente de lado a preocupação com a sanidade da instituição e causando atraso no envio do projeto a Sesp e consequentemente ao Chefe do Executivo.

Alteração de Ata, sem o conhecimento dos membros da comissão de reavaliação, estabelecida pela resolução 162/14 de 17 de julho de 2014, realizada por pessoa estranha a esta comissão é um dos exemplos de interferência.

Não há mais o que reavaliar. Tudo o que tinha que ser discutido, rediscutido e decidido, mesmo que por voto, já foi revisado e reavaliado, mas como houve descontentamento dos que foram voto vencido, subterfúgios são usados para procrastinar o trâmite deste projeto.

Mesmo que o decidido tenha sido da maneira mais democrática possível, o voto, a irresignação por parte de membros da Adepol, cria estratagemas que estão sendo usados para travar, procrastinar e até mesmo inviabilizar o trâmite deste projeto.

Será que esta associação, a Adepol, ainda representa os anseios de seus associados? Pelo que se vislumbra não, pois contrariando pesquisa realizada, as manifestações ao texto do projeto do Novo Estatuto são pessoais e limitadas a alguns diretores da dita associação.

Um exemplo disto, fica por conta de pesquisa realizada em todos os cantos do Estado, perguntando sobre a presença de Policiais Civis como integrantes do Conselho da Polícia Civil e a promoção por critério exclusivo de antiguidade, entre outras. O resultado da pesquisa foi de 90,9 e 100 % (por cento) respectivamente, a favor, contrariando a manifestação expressa em site desta associação, que pode ser visto reproduzido em nosso site no link: A quem interessa não aprovar o novo estatuto.

Temos consciência que esta minoria, que se diz representar todos os Delegados do Paraná, não tem o aval da categoria para tomar estas decisões políticas e se faz necessário que esta representação seja retomada pelos seus associados.

Estes, na palavra de um de seus diretores, já declararam guerra contra a pretensão dos Investigadores, Escrivães, Peritos Papiloscopistas e Agentes em Operações Policiais, e contra o próprio projeto, pois pessoalizaram a questão, como se houvesse a mínima possibilidade de serem prejudicados pelos avanços inseridos nele. Verdadeiro caso de Esciofobia.

Temos exemplo nefasto deste tipo de antagonismo, pois está em vigência em nossa coirmã, a Polícia Federal, uma verdadeira guerra interna, que infelizmente enfraquece e expõe a instituição. Não é isto que queremos.

Queremos somente evoluir como operadores da segurança pública e do direito, sem prejudicar ninguém, mas também sem sermos prejudicados, como já fomos a tempos passados, por alguns deste mesmo grupo, quando enfraquecidos pelo próprio desconhecimento da força que somos possuidores, deixamos revogar o artigo 291 da Lei Complementar nº 14 de 1982.

Isto não mais acontecerá, sabemos de nosso potencial, de nossa união, da força de nossa representação e de nossa importância no cenário político paranaense.

André Gutierrez

“SI VIS PACEM, PARA BELLUM”, Publius Flavius Vegetius Renatus.

Sinclapol esteve com o candidato Roberto Requião

Na última segunda-feira (22/9), parte da diretoria do Sinclapol (Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná) esteve em um “Café da Manhã”, com o candidato ao Governo do Estado, o senador Roberto Requião. Os sindicalistas foram ouvir de Requião quais os seus projetos para a Segurança Pública, pois ele não tinha agenda para participar de um almoço com os policiais civis, como foi feito com o candidato Beto Richa.

Compareceram ao “Café da Manhã”, representando o Sinclapol, André Luiz Gutierrez (presidente), Daniel Luiz Santiago Cortês (vice), Braz Caselatto (presidente do conselho fiscal), Waldir Triana (tesoureiro geral), Bela Aparecida Lopes e Fábio Rossi Barddal Drummond (Feipol-Sul). Da equipe do candidato Roberto Requião estava presente o Coronel Washington, seu assessor Delazari e membros da sua assessoria de imprensa.

O senador Roberto Requião falou sobre o atual governo e se colocou como voluntário para “colocar a casa em ordem”. Sobre projetos para a Segurança Pública em seu governo, que envolva os Policiais Civis do Paraná, o candidato disse: “Não assumo compromisso nenhum e não prometo nada. O Estado está falido e a Segurança Pública vai mal. Não costumo prometer o que não vou poder cumprir”, concluiu o candidato Roberto Requião.

Sinclapol prestigia almoço com aposentados na UPC

O Sinclapol (Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná) prestigiou o tradicional “almoço para os aposentados”, organizado anualmente pela diretoria da União da Polícia Civil (UPC). O evento aconteceu na quarta-feira (17/9), sede campestre da UPC, em Piraquara (PR).

André Luiz Gutierrez (presidente), Neilor Liberato Souza (vice), Daniel Luiz Santiago Cortês (vice), Loeci Ana Zanini (secretária geral), Braz Caselatto (presidente conselho fiscal), Luiz Carlos Dalabona e Bela Aparecida Lopes, compareceram à sede campestre da UPC, para prestigiar os aposentados da Polícia Civil do Estado do Paraná.

No churrasco regado a refrigerante, chopp (claro e escuro) e boa música gaúcha, aproximadamente 600 aposentados ainda concorreram ao sorteio de mais de 70 prêmios, comandados por Wilson Villa, Ademilson Batista, Geraldo Ronaldo Pereira, Luiz Antonio Maximo e membros do Sinclapol, entre outros, que ajudaram a abrilhantar ainda mais o evento. Após o almoço e o sorteio de prêmios, a festa seguiu com o baile até o fim da tarde.

Policiais Civis ouvem as propostas de Beto Richa

No sábado (6/9), o Sinclapol (Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná) organizou um almoço com o candidato ao Governo do Estado, Beto Richa e os Policiais Civis. O evento foi realizado na sede campestre da União da Polícia Civis do Paraná, em Piraquara, contando com a participação de 700 pessoas aproximadamente.

         Entre os assuntos pertinentes à classe de Policiais Civis do Estado, Beto Richa anunciou que está sendo finalizado o novo estatuto da Polícia Civil do Paraná, que seguirá para votação na Assembleia Legislativa. “Valorizar a polícia não importa apenas para a categoria, mas sim para a segurança política. Temos muitos passos a dar ainda, mas estamos seguindo em frente”, afirmou Beto. Sobre as solicitações dos policiais civis disse: “Fiz o que era possível. Não fiz o que gostaria ainda, mas podem ter a certeza de contar sempre comigo para atender as suas reivindicações”.

         Para o presidente do Sinclapol, André Luiz Gutirrrez, o governador Beto Richa tem cumprido os compromissos assumidos com a categoria durante as manifestações deste ano. “Desde que assumimos o Sindicato, nunca tomamos partido em eleição. Sempre ouvimos as propostas dos candidatos e deixamos os policiais escolher em quem votar. Mas, com tantos avanços, conquistas e o respeito que a classe policial passou a ter neste Estado, seria interessante o Beto seguir em frente”, disse Gutierrez.

         Entre as promessas do atual governo, a transferência de presos das delegacias para presídios foi um dos avanços comemorados pelos policiais civis, que lutavam há décadas para essa conquista. Dos 16 mil presos que estavam nas DPs do Paraná no início de 2011, quase metade já foram transferidos. “Em quase 30 anos de polícia, nunca vi nenhum governador se importar com delegacias cheias de presos, isso que o Beto está fazendo é histórico”, concluiu Ademilson Alves Batista, presidente do Sindipol Londrina.

FENAPPI - CAMPANHA SOMOS NÓS DE NOVO! PELA SANÇÃO DO PL 78/14.

ATENÇÃO AMIGOS,


Estamos iniciando uma nova luta pela sanção do PLC 78/2014 pela Presidente.
Pedimos a todos que se mobilizem, junto com seus amigos, familiares, demais colegas papiloscopistas, agentes, escrivães, delegados de polícia, agentes penitenciarios, guardas municipais, policiais federais, ou seja, todos os trabalhadores da Segurança Publica e sociedade civil, para que solicitem a Presidente Dilma a sanção sem vetos do PLC 78/14.
Todos devem acessar o link abaixo, preencher o formulário (Modelo de um texto base abaixo) e solicitar a sanção do nosso PL.


https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php

Texto Base para o pedido:

Leia mais...